Tradução e adaptação do Check List RE-AIM para a realidade Brasileira

  • Fabiana Almeida Brito University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, Nebraska, Estados Unidos. https://orcid.org/0000-0002-1262-4246
  • Tânia Rosane Bertoldo Benedetti Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2035-5082
  • Camila Tomicki Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3784-1570
  • Lisandra Maria Konrad Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8863-4862
  • Paula Fabrício Sandreschi Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6487-2359
  • Sofia Wolker Manta Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1059-2471
  • Fabio Almeida University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, Nebraska, Estados Unidos. https://orcid.org/0000-0002-2404-0694
Palavras-chave: Avaliação de programas, Revisão sistemática, RE-AIM, Atividade motora, Saúde

Resumo

O objetivo foi traduzir e adaptar os itens de codificação relacionados às dimensões do modelo RE-AIM para auxiliar no planejamento e avaliação de programas de promoção da atividade física e saúde, bem como na análise da qualidade do relato em estudos de revisão sistemática. Foram realizadas equivalência conceitual, de itens e semântica por profissionais de saúde mono e bilíngues. Na análise conceitual e de itens foi realizada discussão entre especialistas e na semântica, tradução inversa (inglês para português) e reversa (português para inglês) dos itens. Posteriormente, foi avaliada a equivalência entre as retraduções e o conteúdo original. Dessa forma, foi apresentada a tradução e adaptação dos 54 itens que permite o planejamento e avaliação de programas e dos 21 itens para análise da qualidade das informações relatadas em evidências científicas. Espera-se contribuir para o planejamento e avaliação de programas ou revisões sistemáticas para promoção da atividade física e saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Almeida Brito, University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, Nebraska, Estados Unidos.

Professora da University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, NE, USA.

Tânia Rosane Bertoldo Benedetti, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Física.

Camila Tomicki, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Física.

Lisandra Maria Konrad, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Física.

Paula Fabrício Sandreschi, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Física.

Sofia Wolker Manta, Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Física.

Fabio Almeida, University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, Nebraska, Estados Unidos.

Professor of University of Nebraska Medical Center, College of Public Health, Department of Health Promotion, Social and Behavioral Health, Omaha, NE, USA.

Referências

1. Kohl HW, Craig CL, Lambert EV, Inoue S, Alkandari JR, Leetongin G, et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. 2012;380(9838):294-05.
2. Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380(9838):247-57.
3. Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. VIGITEL Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.
4. Becker LA, Gonçalves PB, Reis RS. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(2):110-22.
5. Ministério da Saúde (Brasil). Portaria no 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Diário Oficial da União 04 mar 2008; Seção1.
6. Galaviz KI, Harden SM, Smith E, Blackman KCA, Berrey LM, Mama SK, et al. Physical activity promotion in Latin American populations: a systematic review on issues of internal and external validity. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014;11(77):1-13.
7. Harden SM, Gaglio B, Shoup JA, Kinney KA, Johson SB, Brito F, et al. Fidelity to and comparative results across behavioral interventions evaluated through the RE-AIM framework: a systematic review. Syst Rev. 2015;4:155.
8. Konrad LM, Tomicki C, Silva MC, Benedetti TRB, Almeida FA. Avaliação de programas de mudança de comportamento usando a ferramenta RE-AIM: um estudo de revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017:22(5):448-58.
9. Forman J, Heisler M, Damschroder LJ, Kaselitz E, Kerr EA. Development and application of the RE-AIM Quest mixed methods framework for program evaluation. Prev Med Rep. 2017;(4)6:322-28.
10. Glasgow RE, Vogt TM, Boles SM. Evaluating the public health impact of health promotion interventions: the RE- AIM framework. Am J Public Health. 1999;89(9):1322-27.
11. Almeida FA, Brito. FA, Estabrooks PA. Modelo RE-AIM: Tradução e adaptação cultural para o Brasil. Rev. Fam Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2013;1(1):6-16.
12. Akers J, Estabrooks, PA, Davy BM. Translational research: bridging the gap between long-term weight loss maintenance research and practice. J Am Diet Assoc. 2010;110(10):1511-22.
13. Lee RE, Galavíz KI, Soltero EG, Rosales Chavez J, Jauregui E, Lévesque L, et al. Applying the RE-AIM conceptual framework for the promotion of physical activity in low- and middle-income countries. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2017;25:e2923.
14. Harden SM, Smith ML, Ory MG, Smith-Ray L, Estabrooks PA, Glasglow RE. RE-AIM in Clinical, Community, and Corporate Settings: Perspectives, Strategies, and Recommendations to Enhance Public Health Impact Front Public Health. 2018:6:71.
Publicado
21-11-2018
Seção
Séries Técnicas em Atividade Física e Saúde