Competência profissional dos trabalhadores de programas de atividade física da atenção básica à saúde de Pernambuco

  • Danyelle de Cássia Ribeiro de Oliveira Programa Academia da Cidade do Recife. Secretaria Municipal de Saúde de Recife, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0383-090X
  • Emmanuelly Correia de Lemos Programa Academia da Cidade do Recife. Secretaria Municipal de Saúde de Recife, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1450-6160
  • Caroline Ramos de Moura Silva Programa Associado de Pós-Graduação em Educação Física-UPE/UFPB, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8727-0024
  • Rafael Miranda Tassitano Programa Associado de Pós-Graduação em Educação Física - UPE/UFPB, Recife, Pernambuco, Brasil. Departamento de Educação Física, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2713-8670
Palavras-chave: Atenção básica à Saúde, Competência profissional, Atividade motora

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar a associação entre as competências profissionais de conhecimento, habilidade e atitude autopercebidas com a formação inicial, continuada, educação permanente e atuação profissional em programas de promoção da atividade física (PPAFs) na atenção básica à saúde de Pernambuco. Estudo transversal com 553 trabalhadores de 132 cidades. Competência profissional foi mensurada por 23 questões, com escala tipo likert nas dimensões de conhecimento (n = 7), habilidade (n = 9) e atitude (n = 7). Informações sociodemográficas, de tempo de atuação, formação inicial, continuada e educação permanente foram as variáveis independentes. O teste k-means não hierárquico foi utilizado para identificar grupos com maior e menor percepção de competência a partir do Z-scores do conhecimento, habilidade e atitude. Regressão logística binária bruta e ajustada foi utilizada para identificar os fatores associados a maior percepção de competência. Um total de 66,4% tinham formação em Educação Física, com menor quantidade de experiências durante a formação inicial e continuada. Ter formação superior (OR = 2,21; IC95%: 1,04-4,68), em Educação Física (OR = 2,48; IC95%: 1,47-4,85), ser servidor público (OR = 1,86; IC95%: 1,13-3,27) e participar de cursos, eventos e capacitações em atividade física no último ano ofertados pela gestão (1 - 2 cursos; OR = 3,86; IC95%: 2,17-6,81 e ≥ 3 cursos; OR = 4,27; IC95%: 1,99-7,58) aumenta a chance de percepção de maior competência. É necessário um redirecionamento na formação inicial, implementação de uma política de capacitação continuada com o foco na atenção básica de saúde, bem como a valorização do profissional fortalecido pelo tipo de vínculo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Departamento de Análises de Situação em Saúde, Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM no 637, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf. Acesso em 16/01/18.
2. Malta D, Silva MMA, Albuquerque GM, Amorim RCAR, Araújo GB, Silva TS, et al. Política Nacional de Promoção da Saúde, descrição da implementação do eixo atividade física e práticas corporais, 2006 a 2014. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(3):286-99. 

3. Ministério da Saúde. Núcleo de Apoio da Saúde da Família. Portaria Ministerial de Saúde, no154, de 24 de janeiro de 2008. 

4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n. 719, de 07 de abril de 2011. Institui o programa academia da saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. 

5. Castro EAB, Campos SEM. Uma discussão sobre as competências e habilidades de gestores no âmbito do sistema público de saúde. Revista APS. 2003;6(2):94-8. 

6. Camelo SHH, Angerami ELS. Competência profissional: a construção de conceitos, estratégias desenvolvidas pelos serviços de saúde e Implicações para a enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2013;22(2):552-60. 

7. Coutinho SS. Competências do profissional de Educação Física na atenção básica à saúde [Tese de doutorado]. São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2011. 

8. Feitosa WMN, Nascimento JV. As competências específicas do profissional de Educação Física que atua na orientação de atividades físicas: um estudo Delphi. Rev Bras Ciên Mov. 2003;11(4):19-26. 

9. Nascimento JV. Escala de auto-percepção de competência profissional em educação física e desportos. Rev Paul de Educ Fís. 1998;13(1):5-21. 

10. Falci DM, Belisário AS. A inserção do profissional de educação física na atenção primária à saúde e os desafios em sua formação. Interface (Botucatu). 2013;17:885-99. 

11. Florindo AA, Andrade DR, Guerra PH, Mota J, Crone D, Mafra ACCN, et al. Physical activity promotion by health practitioners: a distance-learning training component to improve knowledge and counseling. Prim Health Care Res Dev. 2017;10:1-11. 

12. Oliveira DCR, Brito ALS, Tassitano RM. Perfil dos profissionais que atuam nos programas de promoção da saúde com intervenções em atividade física da atenção básica à saúde do estado de Pernambuco. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):442-51. 

13. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf. Acesso em 16/01/2018. 

14. Barros MVG, Lemos EC, Silva JRA, Moura CR, Fonseca SA, Tassitano RM. Avaliação dos programas e intervenções de promoção da atividade física na atenção básica à saúde de Pernambuco: construção, validação de instrumentos e método de trabalho de campo do Projeto SUS+Ativo. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):388-99. 

15. Jacobson DM, Strohecker L, Compton MT, Katz DL. Physical activity counseling in the adult primary care settings. Am J Prev Med. 2005;29(2):158-62. 

16. Orrow G, Kinmonth AL, Sanderson S, Sutton S. Effectiveness of physical activity promotion based in primary care: systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. BMJ. 2012;344:e1389.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2,681, de 07 de novembro de 2013. Redefine o programa academia da saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União.
2. Campos FE, Ferreira JS, Feuerwerker L, Sena RR, Campos JJB, Cordeiro H, et al. Caminhos para aproximar a formação de profissionais de saúde das necessidades da atenção básica. Rev Bras Educ Méd. 2001;25:53-9. 

3. Salvador EP. Propagando a Atividade Física. Rev Corpoconsciência. 2014;18:1-7. 

4. Rosa FK. Currículo de Educação Física das Universidades Públicas do Sul do Brasil: enfoque no Sistema Único de Saúde [Monogra a]. Graduação em Educação Física. Universidade Federal de Santa Catarina; 2011. 

5. Brugnerotto FA. Caracterização dos currículos de formação profissional em Educação Física: um enfoque sobre saúde [Dissertação de Mestrado]. Piracicaba (SP): Universidade Metodista de Piracicaba; 2008. 

6. Tavares MFL, Rocha RM, Bittar CML, Petersen CB, Andrade M. A promoção da saúde no ensino profissional: desafios na saúde e a necessidade de alcançar outros setores. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(6):1799-808. 

7. Brasil. Portaria Interministerial no 3.101, de 03 de novembro de 2005. Institui o Programa de Bolsas para a Educação pelo Trabalho e cria a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde – CNRMS. Diário Oficial da União 2004; 4 nov. 

8. Brasil. Portaria Interministerial no 1.802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET-Saúde. Diário Oficial da União 2008; 26 ago. 

9. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde. 2010;34(1):92-6. 

26. Rodrigues JD, Ferreira DKS, Silva PA, Caminha IO. Inserção e atuação do profissional de educação física na atenção básica à saúde: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):5-15. 

27. Santos SFS. Núcleo de Apoio à Saúde da Família no Brasil e a atuação do profissional de Educação Física [Dissertação de Mestrado]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2012. 

28. Trad LAB, Rocha AARM. Condições e processo de trabalho no cotidiano do Programa Saúde da Família: coerência com princípios da humanização em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(3):1969-80. 

29. Departamento de Gestão da Educação em Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_ permanente_saude.pdf . Acesso em 16/01/2018. 

30. Minelli DS, Soriano JB, Fávaro PE. O profissional de Educação Física e a intervenção em equipes multiprofissionais. Rev Movimento. 2009;15(04):35-62.
Publicado
16-10-2018
Seção
Artigos Originais