Efeito de dois programas na promoção da atividade física em idosos

Palavras-chave: Atividade motora, Educação em saúde, Intervenção, Idoso

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar o efeito de dois programas de promoção da atividade física (AF) nos níveis da AF de idosos usuários das Unidades Básicas de Saúde em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Participaram do estudo 50 idosos (68,30 ± 7,01 anos), randomizados em três grupos: a) mudança de comportamento (programa Vida Ativa Melhorando a Saúde – VAMOS); b) exercício físico; c) controle. Para avaliar a AF utilizou-se o acelerômetro (GT3x, Actigraph) no baseline, três (término dos programas), seis e 12 meses (follow-up). Verificou-se efeito isolado do momento para a AF leve e AF moderada/vigorosa, aos seis e três meses, respectivamente, para cada nível da AF. Foram identificados aumentos significativos nos minutos/dia despendidos em AF em relação ao baseline (p < 0,050), independente do grupo. Não foi identificado efeito isolado do grupo ou interação grupo vs. momento, o que indica que os grupos submetidos aos programas de AF não se diferiram entre si e do grupo controle ao longo do tempo. Não houve influência significante da assiduidade nos programas de intervenção de prática da AF (min/dia). Assim, conclui-se que os programas de promoção da AF avaliados não foram capazes de aumentar o tempo diário despendido em AF, sugerindo a necessidade de adaptações na forma de estruturação e implementação destes programas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Cristina Scherer, Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Educação Física, Londrina, Paraná, Brasil.

Doutoranda na linha de pesquisa em Atividade Física Relacionada à Saúde pelo Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física da Universidade Estadual de Londrina e Maringá - UEL/UEM. Mestre em Atividade Física Relacionada à Saúde pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2014), com Especialização em Atividade Física Direcionada à Promoção da Saúde pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2007), com Graduação em Bacharelado em Educação Física - UNIOESTE (2007) e com Licenciatura Plena - UNIOESTE (2006). Foi bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES durante dois anos (2012-2014). Participou do Núcleo de Pesquisa em Cineantropometria e Desempenho Humano - NuCIDH (2009-2012) e do Núcleo de Atividade Física e Saúde - NuPAF (2013 e 2º semestre/2015), da UFSC. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em: idosos, atividade física, exercício físico, qualidade de vida e processos e programa de promoção da atividade física.

Referências

1. Chodzko-Zajko WJ, Proctor DN, Singh MAF, Minson CT, Nigg CR, Salem GJ, et al. Exercise and physical activity for older adults. American College of Sports Medicine. Position stand. Med Sci Sports Exerc. 2009;41(7):1510-30.
2. Benedetti TRB, Gonçalves LHT, Mota JAPS. Uma proposta de política pública de atividade física para idosos. Texto Contexto Enferm. 2007;16(3):387-98.
3. Reis RS, Hallal PC, Parra DC, Ribeiro IC, Brownson RC, Pratt M, et al. Promoting physical activity through community- wide policies and planning: ndings from Curitiba, Brazil. J Phys Act Health. 2010;7[Suppl 2]:S137-45.
4. Borges LJ, Benedetti TRB, Mazo GZ. Exercício físico, déficits cognitivos e aptidão funcional de idosos usuários dos Centros de saúde de Florianópolis. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2008;13(3):167-77.
5. Benedetti TRB, Schwingel A, Gomez LSR, Chodzko- Zajko W. Programa “VAMOS” (Vida Ativa Melhorando a Saúde): da concepção aos primeiros resultados. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2012;14(6):723-37.
6. Opdenacker J, Boen F, Coorevits N, Delecluse C. Effectiveness of a lifestyle intervention and a structured exercise intervention in older adults. Prev Med. 2008;46(6):518-24.
7. Griffin SF, Wilcox S, Ory MG, Lattimore D, Leviton L, Castro C, et al. Results from the Active for Life process evaluation: program delivery delity and adaptations. Health Educ Res. 2010;25(2):325-42.
8. Wilcox S, Dowda M, Gri n SF, Rheaume C, Ory MG, Leviton L, et al. Results of the first year of active for life: translation of 2 evidence-based physical activity programs for older adults into community settings. Am J Public Health. 2006;96(7):1201-9.
9. Finck BC, Monteiro SM, Barradas SC, Sarmiento OL, Rios P, Ramirez A, et al. Physical activity, nutrition and behavior change in Latin America: a systematic review. Glob Health Promot. 2013;20(4 Suppl):65-81.
10. WHO. World Health Organization, Dept. of Chronic Diseases and Health Promotion. Global strategy on diet, physical activity and health. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2004.
11. Uauy R, Albala C, Kain J. Obesity trends in Latin America: transiting from under-to overweight. J Nutr. 2001;131(3):893S-899S
12. Bandura A, Azzi RG, Polydoro S. Teoria social cognitiva: conceitos básicos. In: Bandura A. A evolução da teoria social cognitiva. Porto Alegre: Artmed; 2008.
13. Bandura A. Social cognitive theory: an agentic perspective. Annu Rev Psychol. 2001;52:1-26.
14. Bandura A. Self-efficacy: the Exercise of Control. New York, NY, USA: W.H. Freeman; 1997.
15. Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. 1994;21(1):55-67.
16. WHO. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: Report of WHO a consultation; 2000.
17. Trost SG, Mciver KL, Pate RR. Conducting accelerometer-based activity assessments in field-based research. Med Sci Sports Exerc. 2005;37(11 Suppl):S531-43.
18. Gretebeck RJ, Montoye HJ. Variability of some objective measures of physical activity. Med Sci Sports Exerc. 1992;24(10):1167-72.
19. Ward DS, Evenson KR, Vaughn A, Rodgers AB, Troiano RP. Accelerometer use in Physical Activity: Best practices and research recommendations. Med Sci Sports Exerc. 2005;37(11 Suppl):S582-8.
20. Freedson PS, Melanson E, Sirard J. Calibration of the Computer Science and Applications, Inc. accelerometer. Med Sci Sports Exerc. 1998;30(5):777-81.
21. Cohen J. Statistical Power Analysis for Behavioral Sciences. Lawrence Erlbaum Associates; 1988.
22. Westerterp KR. Physical activity as determinant of daily energy expenditure. Physiol Behav. 2008;93(4-5):1039-43.
23. Buman MP, Hekler EB, Haskell WL, Pruitt L, Conway TL, Cain KL, et al. Objective Light-Intensity Physycal Activity Associations With Rated Health in Older Adults. Am J Epidemiol. 2010;172(10):1155-65.
24. Dunn AL, Marcus BH, Kampert JB, Garcia ME, Kohl HW 3rd, Blair SN. Comparison of lifestyle and structured interventions to increase physical activity and cardio respiratory fitness: a randomized trial. JAMA. 1999;281(4):327-34.
25. Andersen RE, Wadden TA, Bartlett SJ, Zemel B, Verde TJ, Franckowiak SC. Effects of lifestyle activity vs. structured aerobic exercise in obese women: a randomized trial. JAMA. 1999; 281(4):335-40.
26. Rejeski WJ, Marsh AP, Chmelo E, Prescott AJ, Dobrosielski M, Walkup MP, et al. e Lifestyle Interventions and Independence for Elders Pilot (LIFE-P): 2-year follow-up. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2009;64(4):462-7.
27. LIFE Study Investigators, Pahor M, Blair SN, Espeland M, Fielding R, Gill TM, Guralnik JM, et al. E ects of a physical activity intervention on measures of physical performance: Results of the lifestyle interventions and independence for Elders Pilot (LIFE-P) study. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2006;61(11):1157-65.
28. Borges RA. Programa de promoção de atividade física no SUS: barreiras e facilitadores organizacionais [dissertação de mestrado em Educação Física]. Florianópolis, Santa Catarina: Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina; 2014.
29. Costa BV, Bottcher LB, Kokubun E. Aderência a um programa de atividade física e fatores associados. Motriz. 2009;15(1):25-36.
Publicado
21-11-2018
Seção
Artigos Originais