O efeito de um programa de atividades rítmicas na interação social e na coordenação motora em crianças com transtorno do espectro autista

Palavras-chave: Transtorno autístico, Dança, Exercício

Resumo

Este estudo tem como objetivo verificar o efeito de um programa de atividades rítmicas na interação social e coordenação motora de crianças com transtorno do espectro autista (TEA). Realizou-se um delineamento experimental com nove crianças com TEA, entre cinco e 10 anos (cinco no grupo intervenção e quatro no grupo controle). Os dados foram obtidos por meio de três instrumentos aplicados antes e após intervenção. Os pais reportaram informações sobre o estilo de vida e interação social das crianças (CARS) e um teste de desenvolvimento motor grosso (TGMD-2) foi aplicado com as crianças. O grupo intervenção realizou 14 semanas, duas sessões por semana de 50 minutos cada, de atividades de dança. O grupo controle foi apenas acompanhado nas atividades diárias. Os dados foram comparados por meio da estatística não-paramétrica, com p < 0,05. O grupo intervenção apresentou melhora nas habilidades motoras após as 14 semanas (p = 0,042; tamanho do efeito de 1,86). Em relação a interação social não foram observadas melhoras significativas em nenhum dos grupos. Conclui-se que 14 semanas de atividades rítmicas pode ser uma ferramenta eficaz para desenvolver as habilidades motoras de crianças com transtorno do espectro autista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders-DSM-V. 5th ed. Washington: Artmed, 2013.

Stins JF, Emck C. Balance Performance in Autism: A Brief Overview. Front Psychol. 2018;9:901.

Krüger GR. Atividade física e barreiras em crianças com autismo de Pelotas [dissertação de mestrado]. Pelotas, Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Pelotas; 2015.

Macdonald M, Esposito P, Ulrich D. The physical activity patterns of children with autism. BMC research notes. 2011;4:422.

Memari AH, Ghaheri B, Ziaee V, Kordi R, Hafizi S, Moshayedi P. Physical activity in children and adolescents with autism assessed by triaxial accelerometry. Pediatr Obes. 2013;8(2):150-58.

Pan CY, Frey GC. Physical activity patterns in youth with autism spectrum disorders. J Autism Dev Disord.2006;36(5):597-606.

Memari AH, Panahi N, Ranjbar E, Moshayedi P, Shafiei M, Kordi, et al. Children with Autism Spectrum Disorder and Patterns of Participation in Daily Physical and Play Activities. Neurol Res Int. 2015;2015:531906-7.

Pan CY. Objectively measured physical activity between children with autism spectrum disorders and children without disabilities during inclusive recess settings in Taiwan. J Autism Dev Disord. Aug 2008;38(7):1292-1301.

Pan CY, Tsai CL, Chu CH, Sung MC, Ma WY, Huang CY. Objectively Measured Physical Activity and Health-Related Physical Fitness in Secondary School-Aged Male Students With Autism Spectrum Disorders. Phys Ther. 2016;96(4):511-20.

Brand S, Jossen, S, Trachsler E, Pühse U, Gerber M. Impact of aerobic exercise on sleep and motor skills in children with autism spectrum disorders - a pilot study. Neuropsychiatr Dis Treat. 2015;11:1911-20.

Macdonald M, Lord C, Ulrich D A. Motor skills and calibrated autism severity in young children with autism spectrum disorder. Adapt Phys Activ Q. 2014;31:95-105.

Pitetti KH, Rendoff AD, Grover T, Beets MW. The efficacy of a 9-month treadmill walking program on the exercise capacity and weight reduction for adolescents with severe autism. J Autism Dev Disord, 2007;37:997-1006.

Koch SC, Mehl L, Sobanski E, Sieber M, Fuchs T. Fixing the mirrors: A feasibility study of the effects of dance movement therapy on young adults with autism spectrum disorder. Autism. 2015;19(3):338–50

Pan CY. Effects of water exercise swimming program on aquatic skills and social behaviors in children with autism spectrum disorders. Autism. 2010; 14(1):9-28.

Marques AC. O perfil do estilo de vida de pessoas com Síndrome de Down e normas para avaliação da aptidão física [tese de doutorado]. Porto Alegre, Rio Grande Sul: Educação física Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2008.

Schopler ERR, Renner BR. The Childhood Autism Rating Scale (CARS). 10. ed. Los Angeles, CA: Western Psychological Services, 1988.

Perreira AM. Autismo infantil: Tradução e Validação da CARS (Childhood Autism Rating Scale) para uso no Brasil [dissertação de Mestrado]. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

Ulrich D. The test of gross motor development. Austin: Prod-Ed; 2000.

Valentini N. Percepções de Competência e Desenvolvimento Motor de meninos e meninas: um estudo transversal. Revista Movimento. 2002; 8(2):51-62.

Cohen J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences (2nd ed.). Hillsdale, NJ: Lawrence Earlbaum Associates.

Castro ME, Morais R. A influência da dança na percepção de estruturas rítmicas monotônicas em adolescentes surdos. Revista Motricidade. 2013; 9;1:69-86.

Campeiz ECFS, Volp MC. Dança criativa: a qualidade da experiência subjetiva. Revista Motriz. 2004;10:167-72.

McPhillips M, Finlay J, Bejerot S, Hanley M. Motor Deficits in Children With Autism Spectrum Disorder: A Cross-Syndrome Study. Autism Research. 2014;7:664–76.

Publicado
25-03-2019
Seção
Artigos Originais