Adesão e aderência a um programa de exercício físico em pessoas vivendo com HIV/AIDS

Palavras-chave: Atividade motora, Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, Estilo de vida

Resumo

O objetivo do estudo foi identificar barreiras percebidas à prática de atividade física antes e após participarem de um programa de exercícios físicos (EF), bem como aspectos ligados à adesão e a aderência à este programa, em pessoas vivendo com HIV/aids, especificamente: motivos referidos para faltas as sessões, número de desistências ao longo do programa, continuidade de prática após seis meses ao término do programa e motivos para eventuais não continuidades. Dezenove sujeitos participaram de 14 semanas de um programa de EF. Foram coletadas informações sobre barreiras percebidas para a prática de atividade física, os motivos de faltas ou desistência e a continuidade após seis meses ao término do programa. Para análise dos dados utilizou-se estatística descritiva, o teste de McNemar para verificar as diferenças nas frequências de cada barreira, e de Wilcoxon para comparar o número médio de barreiras no momento pré e pós programa. A média de assiduidade às sessões foi de 58,5% e os principais motivos relatados para as faltas foram “problemas de saúde” e “compromissos pessoais”. Cerca de 40% das pessoas que iniciaram o programa não chegaram até o final do mesmo. A maior parte das desistências aconteceu entre a 11a e a 20a sessão. Não houve diferenças significativas nas barreiras referidas pré e pós programa, nem no número médio de barreiras. Somente 21% dos sujeitos referiram estar praticando EF após seis meses. Programas de EF devem considerar estes achados e buscar elaborar ações mais sustentáveis e de maior impacto a longo prazo na saúde dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Boletim epidemiológico HIV – aids, Brasília, 2016.
2. Lloyd-Smith E, Brodkin E, Wood E, Kerr T, Tyndall MW, Montaner J, et al. Impact of HAART and injection drug use on life expectancy of two HIV-positive cohorts in British Columbia. AIDS. 2006;20(3):445-50.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para o manejo da infecção pelo HIV em adultos. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais; Brasília 2015.
4. Caron-Debarle M, Lagathu C, Boccara F, Vigouroux C, Capeau J. HIV-associated lipodystrophy: from fat injury to premature aging. Trends Mol Med. 2010;16(5):218–29.
5. Falco M, Castro ACO, Silveira EA. Nutritional therapy in metabolic changes in individuals with HIV/AIDS. Rev. Saúde Pública. 2012;46(4):737–46.
6. Shah M, Tierney K, Adams-Huet B, Boonyavarakul A, Jacob K, Quittner C, et al. The role of diet, exercise and smoking in dyslipidaemia in HIV-infected patients with lipodystrophy. HIV Med. 2005;6(4):291–8.
7. O’Brien KK, Tynan AM, Nixon SA, Glazier RH, et al. Effectiveness of aerobic exercise for adults living with HIV: systematic review and meta-analysis using the Cochrane Collaboration protocol. BMC Infect Dis. 2016;16(1):182.
8. Gomes-Neto M, Conceição CS, Oliveira Carvalho V, Brites C. A systematic review of the effects of different types of therapeutic exercise on physiologic and functional measurements in patients with HIV/ AIDS. Clinics. 2013;68(8):1157–67.
9. Eidam CL, Lopes AS, Guimarães MDC, Oliveira OV. Estilo de vida de pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV ) e sua associação com a contagem de linfócitos t cd4+. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2006;8(3):51-7.
10. Guariglia DA, Avelar A, Cucato GG, Reichert FF, Cyrino, ES. Atividade física habitual em portadores de HIV/AIDS. Rev Educ Fís/UEM. 2007;18(Suppl 1):S260-2.
11. Pedro RE, Guariglia DA, Okuno N, Demenice R, Peres S, Moraes SMF. E ects of 16 weeks of concurrent training on resting heart rate variability and cardiorespiratory fitness in people living with HIV/AIDS using antiretroviral therapy: A Randomized Clinical Trial. J Strength Cond Res. 2016;30(12):3494-3502.
12. Driscoll SD, Meininger GE, Ljungquist K, Hadigan C, Torriani M, Klibanski A, et al. Differential effects of metformin and exercise on muscle adiposity and metabolic indices in Human Immunode ciency Virus-Infected Patients. J Clin Endocrinol Metab. 2004;89(5):2171-8.
13. Roos R, Myezwa, H.; Van Aswegen, H. “Not easy at all but I am trying”: barriers and facilitators to physical activity in a South African cohort of people living whith HIV participating in a home-based pedometer walking programme. AIDS care. 2015;27(2):235-39.
14. Ribeiro AR, Guariglia DA, Pupulin ART, Teixeira DDC, Greguol M, Cyrino ES. Barreiras pessoas para prática de atividade física percebidas por portadores de AIDS. Rev Educ Fís/UEM. 2013;24(1):93-101.
15. Reichert FF. Barreiras pessoais relacionadas a atividade física. In: Florindo AA, Hallal, PC. Epidemiologia da atividade física. São Paulo: Atheneu, 2011.
16. Reichert FF, Barros AJ, Domingues MR, Hallal PC. The role of perceived personal barriers to engagement in leisure-time physical activity. Am J Public Health. 2007;97(3):515-9.
17. Sebastião E. Nível de atividade física e principais barreiras percebidas por indivíduos adultos: um levantamento no município de Rio Claro-SP. 2009. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2009.
18. Montaner J, Côté HC, Harris M, Hogg RS, Yip B, Chan JW, et al. Mitochondrial toxicity in the era of HAART: evaluating venous lactate and peripheral blood mitochondrial DNA in HIV-infected patients taking antiretroviral therapy. JAIDS. 2003;34(Suppl 1):S85-90.
19. Koczor C, Kohler J, Lewis W. Transgenic mouse models of mitochondrial toxicity associated with HIV/AIDS and antiretrovirals. Methods. 2010;51(4):399-404.
20. Dragovic G, Jevtovic D. The role of nucleoside reverse transcriptase inhibitors usage in the incidence of hyperlactatemia and lactic acidosis in HIV/AIDS patients. Biomed Pharmacother. 2012;66(4):308-11.
21. Greco DB. Trinta anos de enfrentamento à epidemia de Aids no Brasil, 1985-2015. Ciên Saúde Coletiva. 2016;21(5):1553- 64.
22. Peres SB, GuarigliaDA, Pedro RE, Candido N, Melo BP, Franzoi DMS. Effects of concurrent training in People Living with HIV/aids: a randomized clinical trial. Med Sci Sports Exerc. 2016;48(Suppl 1):713.
23. Pedro RE, Candido N, Guariglia DA, Melo BP, Bertolini DA., Peres SB et al. Exercise improves cytokine profile in HIV-infected people: a randomized clinical trial. Cytokine. 2017;99:18-23.
24. Li A, McCabe T, Silverstein E, Dragan S, Salbach NM, Zobeiry M, et al. Community-based exercise in the context of HIV: factors to consider when developing and implementing community-based exercise programs for People Living with HIV. J Int Assoc Provid AIDS Care. 2017;16(3):267-75.
Publicado
05-07-2018
Como Citar
1.
Oliveira Junior J, Guariglia D, Loch M. Adesão e aderência a um programa de exercício físico em pessoas vivendo com HIV/AIDS. RBAFS [Internet]. 5jul.2018 [citado 16jul.2018];22(6):568-75. Available from: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/11048
Seção
Artigos Originais