Promotion of physical activity in primary health care settings: evaluation of the Saúde Ativa Rio Claro program

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a associação entre participação no programa Saúde Ativa Rio Claro (SARC) e níveis de atividade física (AF) entre mulheres adultas. Trata-se de um estudo caso controle realizado em sete unidades da Atenção Básica de Saúde de Rio Claro, São Paulo, Brasil. A amostra incluiu 111 mulheres participantes da intervenção (média de idade: 58 ± 13 anos). Para cada participante, foi selecionado uma não participante, correspondente a participante da intervenção por idade (± 5 anos) e por vizinhança. O programa oferece exercícios físicos multimodais duas vezes por semana por uma hora em cada sessão, bem como conselhos sobre autocuidado de saúde. A AF foi medida usando a versão longa do International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Enquanto 18,0% dos não participantes relataram praticar 150 min./ semana de AF de lazer ou mais, 61,3% dos participantes atingiram esse limiar (OR=7,2; IC=3,8-13,3). Os participantes realizaram mais minutos em comparação com os não participantes, mesmo omitido os 100 min./semana de AF oferecidos pela intervenção (p<0,001). Além de fornecer 100 min./semana de AF, o SARC, uma intervenção de promoção de exercícios no contexto de atenção primária de saúde no Brasil, estimula os participantes a aumentar os níveis de AF em outros ambientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Grace Gomes, Departamento de Gerontologia, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Departamento de Gerontologia.

Flávia Maciel, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Departamento de Educação Física. 

Thaysa Gomes, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Departamento de Educação Física.

Juliana Cardoso, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Departamento de Educação Física.

Pedro Hallal, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Grupo de Pesquisa em Epidemiologia da Atividade Física. 

Eduardo Kokubun, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Departamento de Educação Física.

Referências

References

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Portaria n° 687 MS/GM, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. p. 60. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/ prt2446_11_11_2014.html.

Malta DC, Silva JB. Policies to promote physical activity in Brazil. The Lancet. 2012;380(9838):195-6.

Cleland CL, Tully MA, Kee F, Cupples ME. The effectiveness of physical activity interventions in socio-economically disadvantaged communities: A systematic review. Prev Med. 2012;54(6):371-80.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Echeloned U, et al. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380(9838):247-57.

BRASIL. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2014.pdf.

Reis RS, Salvo D, Ogilvie D, Lambert EV, Goenka S, Brownson RC, et al. Scaling up physical activity interventions worldwide: stepping up to larger and smarter approaches to get people moving. Lancet. 2016;388(10051):1337-48.

Heath GW, Parra DC, Sarmiento OL, Andersen LB, Owen N, Goenka S, et al. Evidence-based intervention in physical activity: lessons from around the world. Lancet. 2012;380(9838):272-81.

Sabti Z, Handschin M, Joss MK, Allenspach EC, Nüscheler M, Grize L, et al. Evaluation of a physical activity promotion program in primary care. Family Practice. 2010;27(3):279-84.

Reis RS, Hallal PC, Parra DC, Ribeiro IC, Browson RC, Pratt M, et al. Promoting physical activity through community-wide policies and planning: findings from Curitiba, Brazil. J Phys Act Health. 2010;7(2):137-45.

Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA, et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: percepções de usuários e não-usuários. Cad Saúde Pública. 2010;26(1):70-8.

Smith BJ, Merom D, Harris P, Bauman AE. Do primary care interventions to promote physical activity work? A systematic review of the literature. Melbourne, Australia: The National Institute of Clinical Studies. 2002:1-47.

Estabrooks PA, Glasgow RE and Dzewaltowski DA. Physical activity promotion through primary care. JAMA. 2003;289(22):2913-16.

Lawton BA, Rose SB, Elley CR, Dowell AC, Fenton A, Moyes SA. Exercise on prescription for women aged 40- 74 recruited through primary care: two year randomized controlled trial. BMJ. 2008;337:a2509.

Becker LA, Gonçalves PB, Reis RS. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(2):110-22.

Nakamura P, Papini CB, Chiyoda A, Gomes GAO, Valdanha Netto A, Teixeira IP, et al. Programa de intervenção para a prática de atividade física: Saúde Ativa Rio Claro. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(2):128-32.

Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE, et al. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and validity. Med Sci Sports Exerc. 2003;351(8):1381-95.

American College of Sports Medicine. Quantity and Quality of Exercise for Developing and Maintaining Cardiorespiratory, Musculoskeletal, and Neuromotor Fitness in Apparently Healthy Adults: Guidance for Prescribing Exercise. Med Sci Sports Exerc. 2011;43(7):1134-59. DOI: 10.1249/MSS.0b013e318213fefb.

Guindon GE, Lavis JN, Becerra-Posada F, Malek-Afzali H, Shi G, Yesudian AK, et al. Bridging the gaps between research, policy and practice in low-and middle-income countries: a survey of health care providers. CMAJ. 2010;182(9):362-72. DOI:10.1503/cmaj.081165.

Brownson RC, Ballew P, Brown KL, Elliott MB, Haire-Joshu D, Heath GW, et al. The effect of disseminating evidence- based interventions that promotes physical activity to health departments. Am J Public Health. 2007;97(10):1900-07.

Eakin EG, Bull SS, Riley K, Reeves MM, Gutierrez S, McLaughlin P. Recruitment and retention of Latinos in a primary care-based physical activity and diet trial: The Resources for Health study. Health Educ Res. 2007;22(3):361-71.

Kallings LV, Leijon M, Hellanius ML, Stahle A. Physical activity on prescription in primary health care: a following- up of physical activity level and quality of life. Scand J Med Sci Sports. 2008;18(2):154-61.

Cotta RMM, Balga RSM, Costa JDA, Alfenas RDCG. Promoção da saúde e diabetes: discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciênc & Saúde Coletiva. 2011;16(3):2001-09.

Costa BV, Bottcher LB, Kokubun E. Aderência a um programa de atividade física e fatores associados. Motriz. 2009;15(1):25-36.

Schreiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010;26(5):961-70.

Giraldo AED, Gomes GAO, Sera m THSS, Zorzeto, LP, Kokubun E. Influência de um programa de exercícios físicos no uso de serviços de saúde na Atenção Básica de Saúde do município de Rio Claro, SP. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(2):186-196. DOI: 10.12820/rbafs.v.18n2p186.

Nakamura PM, Papini CB, Teixeira IP, Cordeira KL, Chioda A; Luciano E, Kokubun E. E ect of a 10-Year Physical Activity Intervention in Primary Health Care Settings on Physical Fitness. J Phys Act Health. 2014;12(1):102-08. DOI: 10.1123/jpah.2013-0143.

Papini CB, Nakamura PM, Zorzeto LP, ompson JL, Kokubun E, Phillips A. e E ect of a Community-Based, Primary Health Care Exercise Program on In ammatory Biomarkers and Hormone Levels. Mediators of Inflammation. 2014;2014:1-7.

Costa EF, Andrade DR, Garcia LMT, Ribeiro EHC, Santos TI, Florindo AA. Avaliação da efetividade da promoção da atividade física por agentes comunitários de saúde em visitas domiciliares. Cad Saúde Pública. 2015:1(10):2185-98.

Gomes MA, Duarte MFS. Efetividade de uma intervenção de atividade física em adultos atendidos pela Estratégia Saúde da Família: Programa ação e saúde Floripa - Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2008; 13(1):44-56.

Johnson-Kozlow M, Sallis JF, Gilpin EA, Rock CL, Pierce JP. Comparative validation of the IPAQ and the 7-Day PAR among women diagnosed with breast cancer. Int J Behav Nutr Phys Act. 2006;31;3-7 DOI: 10.1186/1479-5868-3-7.

Publicado
30-05-2018
Seção
Artigos Originais